Gospel

Coreia do Norte lidera Lista Mundial da Perseguição desde 2002

No país cristãos escondem a fé até mesmo da própria família temendo ser presos e enviados para campos de trabalhos forçado

No país, cristãos escondem a fé até mesmo da própria família temendo ser presos e enviados para campos de trabalho forçados

A Coreia do Norte lidera a Lista Mundial da Perseguição pelo 16º ano consecutivo. No país, direitos à liberdade de pensamento, religião, expressão e informação não são respeitados. Em comparação com a classificação na Lista Mundial da Perseguição de 2016, o país teve um aumento de 2 pontos na pontuação da violência.

Um dos motivos é o grande número de cristãos que tiveram suas casas, lojas e empresas invadidas. Esse aumento deve-se, em parte, ao crescimento da paranoia do governo e o seu isolamento em relação ao restante do mundo, inclusive do seu vizinho mais importante, a China.

Na nação mais fechada do mundo, o cristianismo é visto como ocidental e hostil. Outra dificuldade é que o governo espera dos cidadãos lealdade e adoração a dinastia Kim, que governa o país desde sua fundação, em 1948. Por esse motivo, cristãos escondem a fé até mesmo da própria família temendo ser presos e enviados para campos de trabalho forçados. O exercício da fé cristã em comunidade também é afetado, já que igrejas não podem existir, e reunir-se com outros cristãos é uma atividade perigosa, assim como ler a Bíblia.

Apesar da dificuldade em confirmar o número de cristãos em um ambiente altamente restrito, a organização Portas Abertas estima haver cerca de 300 mil cristãos no país. Mesmo sem precisão, as estatísticas mostram que a igreja secreta e doméstica está crescendo de forma lenta, mas firme.

Notas sobre a situação atual 

• Desde 1998 na Universidade Kim Il-sung há um programa de estudos religiosos, onde os graduados são enviados para trabalhar para federações religiosas oficialmente reconhecidas, para o setor de comércio exterior ou como guardas de fronteira para identificar atividades religiosas clandestinas. Muitos são recrutados como espiões para denunciar atividades cristãs no país.

• A fronteira com a China tornou-se mais controlada, dificultando a situação dos cristãos em ambos os lados da fronteira. O assassinato do coreano-chinês Christian Han-Choong Ryol por assassinos norte-coreanos na China, em abril de 2016, ilustra os riscos envolvidos.

• Como o regime na Coreia do Norte é comunista, todas as religiões são vistas como supersticiosas e, portanto, combatidas. No entanto, as religiões asiáticas (como o budismo) têm um pouco mais de espaço.

• Em geral, a pressão sobre os cristãos na Coreia do Norte aumentou em quase todas as esferas da vida, fazendo-a chegar a um nível extremo.

Deixe o seu comentário no Verdade Gospel.

Fonte: Portas Abertas

3 comentários

  1. Carlos Eduardo Marques disse:

    Realmente é um absurdo o que este comunista está fazendo, mas a palavra de Deus vem se cumprindo cada día. Vamos estar orando por nossos irmaos lutarem e nunca desistir do evangelio e Jesus.Amem

  2. Luiz Felipe Radzki disse:

    O meu nome, o que sou, o que posso, o que tenho, estão aos pés dO SENHOR JESUS CRISTO. A Ele, são dados todo louvor, honra, glória, gratidão e adoração.

  3. andré disse:

    Vamos orar pelo nosso irmãos norte-coreanos!
    Maranata! Ora vem Senhor Jesus!

Comentários encerrados.