Mundo

Israel está disposto a cooperar com sauditas para ‘enfrentar Irã’

A Arábia Saudita não possui relações diplomáticas com Israel. O Irã, por outro lado, é o maior inimigo do país

A Arábia Saudita não possui relações diplomáticas com Israel. O Irã, por outro lado, é o maior inimigo do país

Israel está disposto a cooperar e trocar informações com a Arábia Saudita para “enfrentar o Irã”, declarou chefe do Estado-Maior israelense, Gadi Eisenkot, em uma entrevista ao site Elaph, publicada nesta quinta-feira.

“Estamos dispostos a compartilhar nossa experiência e informações dos serviços de inteligência com os países árabes moderados para enfrentar o Irã”, disse o tenente-general Eisenkot a este site fundado por um empresário saudita e com sede no Reino Unido.

“Estamos dispostos a compartilhar informações, se necessário”, insistiu, respondendo perguntas sobre se Israel compartilhou informações com a Arábia Saudita.

Uma autoridade do exército de Israel confirmou  as afirmações do oficial e explicou que a entrevista – realizada em Tel Aviv por um correspondente do site – foi a primeira de um chefe Estado-Maior em exercício a um meio de comunicação árabe.

Essas declarações ocorrem em um contexto de tensões entre os dois rivais regionais, a Arábica Saudita sunita e o Irã xiita.

A Arábia Saudita não possui relações diplomáticas com Israel. O Irã, por outro lado, é o maior inimigo de Israel.

Os líderes israelenses asseguram que a emergência do Irã e a preocupação que ele gera estão criando novos interesses comuns. Também sugerem que esta situação poderia envolver uma reconfiguração diplomática em uma região onde apenas dois países árabes (Egito e Jordânia) têm acordos de paz com Israel.

Deixe o seu comentário no Verdade Gospel.

Fonte: Correio Braziliense

3 comentários

  1. PEDRO ACREANO disse:

    Ué, basta mandar a Dilma dialogar com estes governantes iranianos que gostam de jogar homossexuais de cima dos prédios.

  2. alerrandro disse:

    Tática extremamente perigosa. O inimigo do seu inimigo não é seu amigo.

  3. FERNANDO disse:

    Naquela região, tudo o que se falar, é passivel de profundas análises. Os conflitos de interesses são muito maiores em termos de religião, território, petróleo e muitas outras coisas do tipo. No entanto, tenho a impressão que com o ser humano propriamente dito, principalmente com as mulheres..!!!!!!

Comentários encerrados.