Brasil

Justiça homologa primeira delação da Operação Zelotes

Cortez, que também devolverá R$ 312 mil aos cofres da União, se comprometeu a dar informações e documentos referentes a seis casos investigados na Zelotes, entre eles, o inquérito que envolve o Bank Boston, cujo esquema foi um dos alvos mais recentes de ações da Polícia Federal (PF)

O delator se comprometeu a dar informações referentes a seis casos investigados na Zelotes, entre eles, o inquérito que envolve o Bank Boston, cujo esquema foi um dos alvos mais recentes de ações da PF

O ex-conselheiro do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), Paulo Roberto Cortez foi o primeiro a fechar uma delação premiada. Ele foi a pessoa que mandou um envelope pardo com um dossiê para a Polícia Federal contando o esquema de corrupção que deu origem a Operação Zelotes. A Justiça homologou acordo com o Ministério Público Federal.

Denunciado por corrupção e tráfico de influência, ele assumiu o compromisso de fornecer informações e documentos referentes a seis casos investigados. Além de fornecer informações sobre os três processos aos quais ele responde na esfera judicial, entre eles, o que investiga o favorecimento ao Bank Boston, Cortez será colaborador em outros três casos.

Em contrapartida, terá a pena limitada à prestação de serviços à comunidade durante um ano, em caso de condenação nos processos referentes aos anexos que compõem o acordo.

Nesse acordo, ficou estabelecido que não haverá punição de crimes contra o sistema financeiro nacional, contra a Administração, lavagem de dinheiro, de organização criminosa e outros.

“O teor das informações fornecidas pelo colaborador permanece em sigilo, até que sejam incluídos em ações penais que sejam recebidas pela Justiça”, disse o MPF em nota divulgada nesta sexta-feira.

Cortez é auditor aposentado da Receita Federal. Foi conselheiro do Carf entre 1992 e 2009, por indicação do Ministério da Fazenda.

Deixe o seu comentário no Verdade Gospel.

Fonte: Extra