Brasil

‘O mundo mudou, mas Deus não’, disse Magno Malta sobre casamento gay

O senador classificou o projeto como inconstitucional

O senador classificou o projeto como inconstitucional

O projeto que trata do reconhecimento legal da união estável entre pessoas do mesmo sexo (PLS 612/2011) teve, nesta terça-feira (5), a votação adiada no Plenário do Senado por falta de quórum. O projeto chegou a ser colocado em votação, mas o senador Magno Malta (PR-ES), contrário à matéria, pediu verificação de quórum – que não atingiu o mínimo necessário de 41 senadores presentes.

Saiba mais e participe: Pr. Silas: ‘Ou os senadores apoiam Marta Suplicy, ou a constituição!'; saiba mais e proteste!

Para o senador Magno Malta, “o projeto de lei que reconhece a união estável entre pessoas do mesmo sexo, não pode ser visto como picuinha entre evangélicos e gays. Muito pelo contrário, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Joaquim Barbosa, legislou e oficiou os cartórios a fazerem o casamento gay. Por isso o argumento, de votar no projeto já que o casamento existe, é uma falácia. A Constituição Federal reconhece o casamento de homem com mulher. Temos que respeitar, mesmo sabendo que o mundo mudou, mas Deus não mudou”, disse Magno Malta em plenário, nesta terça-feira.

Em seu relatório na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), o senador Roberto Requião (PMDB-PR) lembrou a decisão de 2011 do Supremo Tribunal Federal (STF) que reconhece o direito à formalização da união entre casais homossexuais. Ele observou, no entanto, que é responsabilidade do Legislativo adequar a lei em vigor ao entendimento consagrado pelo STF.

Marta Suplicy disse que o projeto é “uma consolidação do que já existe”. A senadora classificou a decisão do Supremo como um passo significativo da Justiça, como uma forma de proteção da lei. Ela também lembrou que em 2013, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) estabeleceu uma resolução sobre a celebração de casamento civil e sobre a conversão de união estável em casamento, entre pessoas de mesmo sexo.

Já o senador Magno Malta classificou o projeto como inconstitucional e criticou a postura do CNJ, que teria legislado sem competência legal. Ele negou ser “fundamentalista”, disse respeitar as posições contrárias e lembrou que o Brasil é majoritariamente cristão e católico.

Deixe o seu comentário no Verdade Gospel.

Fonte: Assessoria de Imprensa

6 comentários

  1. Manoel disse:

    Mesmo com à aprovação da união civil gay, não há casamento gay, porque a palavra casamento é exclusiva, resultado, da união civil ou religiosa de um macho e uma fêmea, sendo assim, duas pessoas do mesmo sexo não formam casal, mas dupla! Além do mais, união civil gay é uma abominação (torpeza).

    1. Manoel disse:

      Bem disse o Senador Magno Malta, “O mundo mudou, mas Deus não” Os efeminados não herdarão o Reino de Deus” 1 Coríntios 6:10.

  2. J. Francisco disse:

    Abaixo os ativistas gays que estão por trás desse famigerado projeto de lei.Viva a família tradicional brasileira.Fora senadora Marta essa mulher não tem uma família bem estruturada!!!

  3. Paulo disse:

    É ESTRANHO O SENADOR DIZER ISSO PORQUE DEUS “NÃO” PERMITE O DIVÓRCIO E NOVO CASAMENTO..E O SENADOR FEZ ISSO….

  4. Rute Dalva Santos disse:

    Tenho orado diariamente pelo senador Magno Malta. Que Deus o proteja e dê a ele sabedoria, coragem e discernimento para lutar contra o capeta e seus ” procuradores”.

  5. Temos muitos políticos corruPTos na política, mas temos também políticos que zelam pelo pais e um deles é o senador Magno Malta na sua luta incansável pelo valores morais do país. É bem capaz que o Senado aprove o casamento gay, até porque a maioria é a favor da depravação dos valores humanos.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*
*

Você tem caracteres para usar.