Colunistas

Podemos disciplinar os filhos dando palmada?

Pr. Silas, na Bíblia é dito que devemos educar as crianças e até fustigá-las com vara. Isso é algo metafórico ou literal? Eventualmente, podemos dar palmadas em nossos filhos para discipliná-los ou é melhor usar outros métodos?

Educar os filhos é mais do que um direito dos pais; é um dever. Em Provérbios 23.13, é dito: Não retires a disciplina da criança, porque, fustigando-a com a vara, nem por isso morrerá. Contudo, esse tipo de disciplina com a vara — leia-se palmadas — só deverá ser aplicado à criança com mais de três anos de idade, após seus anos formativos [aproximadamente de um a três anos].

Uma criança de um a dois anos ainda é praticamente um bebê. Não tem noções exatas do que é certo ou errado. Então, se ela levantar a mão para dar um tapinha no rosto da gente, estará agindo sem refletir sobre isso. Sendo assim, não é necessário os pais baterem nela, para repreendê-la, até porque ela não entenderá e não tirará lição alguma disso. O ideal é o pai ou a mãe desviar-se do tapa e segurar as mãozinhas da criança para ela não repetir a ação.

É evidente que, mesmo quando um filho tem condições de entender a correção que está recebendo, os pais não devem aplicar castigos despropositados nem exagerados. Em texto algum da Bíblia é recomendado aos pais infligir abusos físicos, emocionais ou morais aos filhos. Não é isso que é fustigar com a vara.

Nenhum pai ou mãe tem o direito de espancar seu ¬filho, de tirar-lhe a comida, promover humilhações morais etc. Isso não é disciplinar, é abusar física e emocionalmente da criança, traumatizando-a; é uma prova de desequilíbrio dos pais, e, de acordo com as leis civis, eles podem até perder a guarda do filho, se for comprovado o abuso/a violência doméstica.

Disciplinar um filho é mais do que corrigir um mau comportamento dele, substituindo o errado pelo certo. Implica levá-lo à reflexão sobre seus atos e ao arrependimento sincero. A finalidade da disciplina é não apenas ensinar a criança a obedecer aos pais e às autoridades; é permitir que ela assimile valores e princípios éticos e morais, entendendo que estes são fundamentais a uma vida plena e saudável e a relacionamentos construtivos.

A arma mais poderosa da educação é o amor dos pais pelos filhos. Existem gestos, olhares e atitudes que os pais podem usar para demonstrar ao filho que não estão gostando do que ele está fazendo e impor-lhe limites. Na maioria dos casos, basta uma conversa. Somente em alguns momentos extremos, precisarão usar a amorosa correção física, punindo o mau comportamento do filho, pois, se não o fizerem, a “vida” o fará.

A disciplina, é claro, deve ser apropriada a cada fase em que o filho se encontra. Mas, qualquer que seja a idade dele, não convém gritar, fazer gestos obscenos ou bater boca com ele, para que não se torne uma pessoa nervosa, violenta e/ou briguenta. Aos pais cabe educar e zelar pelo bem-estar físico, emocional e espiritual dos filhos. Recomendo, então, que orem pedindo ao Altíssimo amor e sabedoria, para criá-los no temor a Deus, e que cultivem o hábito de ler a Bíblia em casa, ouvir louvores, ir à igreja.

Os pais devem evitar deixar seus filhos muito tempo em frente à televisão ou totalmente entregues aos cuidados de outrem, para que eles não se sintam menosprezados pela falta de atenção e diálogo com os pais.

É preciso que os progenitores reservarem um tempo diário para dar mais atenção à sua prole e conversar com ela. Caso contrário, a televisão, as revistas, a Internet, os jogos de videogame e os amigos exercerão maior influência sobre as crianças do que os pais e seus valores positivos.

Lembre-se: pais ausentes geram filhos insubmissos. Pais desequilibrados geram filhos depressivos. Pais descrentes geram filhos desviados. Pais altivos geram filhos sem limites. Pais violentos geram filhos agressivos. Pais inconstantes geram filhos superficiais. Pais irresponsáveis geram filhos desordeiros.

Não permita que seu filho se torne desequilibrado, insubmisso, egoísta, ambicioso, violento nem promíscuo. Faça a diferença, ensinando-lhe o amor e as leis de Deus pelo seu bom exemplo.

SUGESTÕES DE LEITURA:

Provérbios 13.14; 19.18; 22.15; 29.15,16; Efésios 6.4; Colossenses 3.21; Hebreus 12.7

Livros Como conquistar a obediência dos Filhos, de Scott Turansky e Joanne Miller; Pais e filhos no Reino de Deus, de Myles Munroe; Bons pais, filhos melhores, de Silas Malafaia, publicados pela Editora Central Gospel.

Pr. Silas Malafaia

Pr. Silas Malafaia é psicólogo clínico e conferencista internacional.

Veja outros artigos deste colunista

19 comentários

  1. Ailson Guimarães disse:

    Tripé infalível na criação dos filhos: AMOR, FEIJÃO E CINTURÃO.

  2. Sandra Mara da Conceição Menszes disse:

    Acho q bater ñ e a solução mais diciplinar e o melhor

  3. Rodrigo Simões disse:

    Muito boa a orientação meu pastor.

  4. José Carlos Contreiras disse:

    Cada caso é um caso. Existe crianças que com uma boa palmada resolve, já com outras uma boa conversa resolve. O que não pode é o filho querer mandar ou ser mais que os pais. A bíblia é bem clara: “não poupes a vara”. A mais antiga assim está: “pouco chicote estraga a criança” . O problema é querermos espiritualizar tudo, e cada dia que passa os filhos estão dominando os lares e os pais cada vez mais frescos com filhos. Existe uma lei na bíblia que se aplicasse hoje não iria existir quase filhos na terra, leia deuteronômio 22:18,22.

  5. Marcos Guimarães disse:

    Deixa eu explicar o porque meu pai usou a palmatória : Certo dia eu e meu irmão(de sangue) roubamos um passarinho,lembro-me que era um “coleiro” domesticado,foi a nossa sorte, após bobearmos o bichinho fugiu e mais tarde ele voltou para a gaiola.

  6. nauriene de lima disse:

    Sábe! Esse seu ensinamento é muito importante e funciona,tenho um filho de 13 anos e outro de 1 ano peço sempre pre deus sabedoria para educar meus filhos, quando preciso corrijir meu filho de 13 anos converso com ele e procuro fazer com que ele veja que o que fez é errado e somente prejudica a ele damos muito amo,carinho procuramos ser compreensivos e faço ele ver que não sou uma mãe mas sua melhor amiga e graças a deus tenho anjos na minha vida.

  7. Sandra Gomes disse:

    Estou grata ao Senhor Jesus por este artigo Pastor Silas é muito valioso para mim, eu tenho pedido e o Senhor me abençoou com a divisão do seu conhecimento. Obrigada, muito, muito obrigada. Jesus continue sempre te abençoando e á toda a sua casa.

  8. Cristina disse:

    Ótimo artigo, parabéns pastor! Educar um filho nesta época onde surgem diversas teorias é bem complicado, porém com a palavra de Deus nos ensinando pode ser mais fácil. O que me surpreende é o fato de pessoas que quase foram espancadas dizerem que apanharam hj estão vivas e sem traumas. Vamos evoluir! Se vc apanhou e esta bem, beleza, não significa que precisa achar isso o máximo e tratar assim seus filhos.

  9. me lembro de uma pedrada q levei no ano de 1983 .disciplina sim muita surra nao

  10. Aninha disse:

    No ano 1999 minha irmã estava guardando um dinheiro pra festinha de crianças,meu sobrinho viu onde ela tinha guardado o dinheiro,ele tinha oito anos de idade,pegou todo o dinheiro e gastou,meu cunhado ficou sabendo deu lhe uma surra de vara o vizinho viu e chamou a policia,ele aprendeu na marra, que não é espancando e com violência que se educa uma criança.

  11. gilmar disse:

    se o governo quer tanto se meter na educação das crianças deveria prestar mais atençaõ no que estão ensinando nos bailes ou baladas, crianças de menor frequentando tudo isso,djgo por que ja presenciei menores bebendo ,fumando,usando drogas,etc,gostaria de ver o conselho tutelar agir mais ,fiscalizando tudo isso,diminuiria varios probemas sociais,obs. ar condicionado é muito BOM.

  12. ILKELENE disse:

    ESSA MENSAGEM VEIO NA HORA CERTA PRA MIM

  13. alexandra soares disse:

    olha…eu gostei muito do que o pastor escreveu

  14. DANIEL/IURD disse:

    Não só com palmadas, mas com cintadas e varadas. Na minha infância e pré-adolescência quando fazia algo de errado descumprindo o que meu pai o minha mãe ordenou que não fizesse já apanhei de cinto, palmadas e até tive uma vara descascada no “lombo” kkk, mas nem por isso morri, nem por isso virei bandido. Aprendemos a seguir as ordens e andar num bom caminho e caso não obedecermos sabemos do castigo que teremos ou que seja aplicado caso descumpri-lo. Vi colegas de infância que nunca levaram palmadas, tinham de tudo e hoje passaram por cima dos pais e são marginais. Foram vítimas da sociedade ou da falta de oportunidade? Não, faltou pulso firme dos pais para bater na hora certa. A criança deve ser educada, dada atenção e carinho, deixa-la livre para brincar, mas impondo os limites das relações e atitudes e mostrar a punição. Assim fui criado e assim sigo com os meus e não aceito governo nem “direitos humanos” nem ninguém dá pitaco na minha educação com as minhas crias sei de onde vim e o que me tornei. A paz.

  15. André Vincent disse:

    Olá!
    ” Deixai as crianças e não as impeçais de vir a mim, pois delas é o Reino de Ceus ” .
    Respeitar a inocência e corrigir a liberdade das crianças, tem como intuito de ouvir-las ante de agir. A inocência das crianças deve nos proporcionar este equilibrio que no decorrer do tempo se apago para deixar o lugar à emancipação carecida de simplicidade.

  16. Sidney Cesar Silva De Almeida disse:

    Sou a favor de umas palmadas,se necessário;e totalmente contra o espancamento.

  17. MARTA disse:

    Pastor Silas, parabéns por este artigo. Prá mim foi bastante esclarecedor sobre a disciplina com vara escrito na Bíblia.

  18. Marcos Guimarães disse:

    Como se dizia os antigos,eu era uma criança pinga-fogo,apanhei muito de meu pai,já levei surras de Corrêa,fios de ferro,vara de marmelo,vara de bambu,palmatória e etc . . .Porém jamais fui agredido com socos pelo meu Pai,agradeço muito a ele por essas correções pois ajudaram a forjar o meu caráter.
    Confesso para vocês que mereci todas as surras que levei,e ñ fiquei traumatizado.

  19. Sandra nascimento disse:

    Realmente, educar os filhos é muito complicado, principalmente para quem tem uma vida corrida. A fase da adolescência é ainda mais complicada, onde exige maior cuidado e atenção dos país. Tenho uma filha adolescente, e quando era criança, eduquei usando a palmada, mas hoje ja nao faço mais isso, sempre percebo algo errado, a chamo atenção para uma boa conversa. Suas mensagens Pr. Silas me sao de grande ajuda. Deus abençoa grandemente sua vida!!!

Comentários encerrados.