Brasil

Prisão após 2ª instância é aprovada por 57%, diz pesquisa Datafolha

Além da questão do cumprimento de pena, o Datafolha pesquisou o apoio da população à operação Lava-Jato. Ao todo, 84% dos brasileiros acreditam que a investigação deve continuar, enquanto 12% defendem seu fim

Além da questão do cumprimento de pena, o Datafolha pesquisou o apoio da população à operação Lava-Jato. Ao todo, 84% dos brasileiros acreditam que a investigação deve continuar, enquanto 12% defendem seu fim

Segundo pesquisa Datafolha divulgada nesta terça-feira (17) a maior parte dos brasileiros defende que um condenado pela Justiça comece a cumprir pena após decisão de segunda instância — e não só quando terminarem todos os recursos, o chamado trânsito em julgado. Ela mostra que  57% dos brasileiros apoiam a antecipação da prisão, enquanto 36% afirmam que o mais justo é esperar a passagem do processo por todas as instâncias judiciais.

Em 2016, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu a favor da prisão após condenação em segunda instância. O assunto voltou à tona há duas semanas, durante o julgamento de um habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Supremo. A Corte manteve o entendimento de dois anos atrás, mas cinco ministros defenderam que prevaleça o entendimento de que ninguém pode ser condenado antes do fim dos recursos.

Lula está preso desde 7 de abril na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba, onde cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá. O cumprimento da pena foi autorizado na semana passada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), a segunda instância da Lava-Jato, embora a defesa do petista argumente que ainda tinha direito a um recurso na corte — o embargo do embargo de declaração, que será analisado nesta quarta-feira.

Além da questão do cumprimento de pena, o Datafolha pesquisou o apoio da população à operação Lava-Jato. Ao todo, 84% dos brasileiros acreditam que a investigação deve continuar, enquanto 12% defendem seu fim.

Já a confiança de que a corrupção no país vai diminuir depois da operação caiu. Em setembro do ano passado, 44% dos entrevistados acreditava que os crimes diminuiriam. Neste mês, o índice caiu para 37%. Por outro lado, 51% afirmam que a corrupção “continuará na mesma”; em setembro, eram 44%.

O Datafolha ouviu 4.194 pessoas em 227 municípios do país entre 11 e 13 de abril. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Deixe o seu comentário no Verdade Gospel.

Fonte:  O Globo

7 comentários

  1. Manoel disse:

    Tomara que esta pesquisa seja levada em consideração. O corrupto condenada em segunda instância e ainda para ser preso, o ladrão, tenha que esperar o processo ser transitado em julgado.

  2. Marcelo Jesus disse:

    toda essa picuinha é por causa de LULA, pois muita gente é condenado em segunda instancia e ninguém protestou agora com LULA preso começa a “PUTARIA” De prisão em 2ª instancia

  3. Marcelo Jesus disse:

    o que mais interessa e o que a lei diz, e não o que pensamos.

  4. Marcelo disse:

    Uma vez condenado é o indivíduo que precisa recorrer,caso queira,provar que o estado estava errado e ser indenizado se for o caso.

  5. Marcelo disse:

    Na prática o Brasil possui 4 instâncias:A 1ª,TRF,STJ e STF e ainda tem o TSE(que nem deveria existir),um absurdo.

  6. Marcelo disse:

    O condenado em 1ª instância deveria ser preso e/ou começar a cumprir a pena(a não ser em caso de pena de morte ou castração química por serem irreversíveis),agora é ele quem tem que recorrer na 2ª e 3ª instâncias(que deveriam ser composta por 5 e 7 juízes respectivamente).

  7. Marcelo disse:

    A primeira instância no Brasil não vale nada,é preciso mudar isso.Ela deveria ser composta por um colegiado com 3 juízes.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*
*

Você tem caracteres para usar.