Brasil

Temer quer acionar AGU para pedir fim do sigilo da ‘lista de Janot’

A ideia seria tentar evitar que ocorram vazamentos seletivos e graduais e, por consequência, o desgaste de integrantes da cúpula do governo

A ideia seria tentar evitar que ocorram vazamentos seletivos e graduais e, por consequência, o desgaste de integrantes da cúpula do governo

Em jantar realizado na noite desta quarta-feira (15) com integrantes da bancada do PMDB do Senado, o presidente Michel Temer informou a alguns dos presentes que pretende acionar a Advocacia-Geral da União (AGU) para formalizar um pedido junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que seja levantado o sigilo da segunda lista do Janot. A atuação da AGU seria restrita aos integrantes do governo federal. A informação é do ‘Correio Braziliense’.

A ideia, segundo alguns dos presentes no encontro, seria o de tentar evitar que ocorram vazamentos seletivos e graduais e, por consequência, o desgaste de integrantes da cúpula do governo.

A reunião com os peemedebistas ocorreu um dia após o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentar ao STF nova lista com nomes que deverão ser investigados no âmbito da Operação Lava Jato.

Leia também: Rodrigo Janot pede que Supremo quebre sigilo das delações

Janot pediu para investigar ao menos seis titulares dos 29 ministérios do governo de Michel Temer (PMDB): Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência), Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), Bruno Araújo (Cidades), Aloysio Nunes (Relações Exteriores) e Marcos Pereira (Indústria, Comércio Exterior e Serviços).

No jantar, realizado no Palácio do Alvorada, o surgimento de novos nomes na lista também foi comentado entre os senadores. O que mais surpreendeu foi o envolvimento de Lídice da Mata (PSB-BA) na investigação.

O encontro também serviu para que Temer fizesse afagos ao líder do PMDB do Senado, Renan Calheiros (AL). No discurso feito durante o brinde, o presidente lembrou da votação realizada no final do ano passado da chamada PEC do Teto, que estabeleceu um limite para os gastos públicos. Ao falar da votação, Temer elogiou a condução de Renan do processo, que teria ficado até à madrugada no plenário para garantir a aprovação da proposta.

Os afagos ocorreram uma semana após Renan vir a público para criticar o que chamou de “tomada do governo” por parte do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso na Operação Lava Jato. As críticas do senador ocorreram após Temer indicar parlamentares próximos a Cunha para cargos estratégicos no governo e no Congresso.

Deixe o seu comentário no Verdade Gospel.

Fonte: Correio Braziliense

4 comentários

  1. JASIEL ALVES disse:

    LULA 2018

  2. mauro disse:

    SABEMOS MUITO BEM DO PORQUE TEMER QUER ACIONAR AGU PRA DIVULGAR OS SIGILOS É PROS CACIQUES SE REUNIREM NOVAMENTE EM JANTARES SUSPEITOS PAGO COM O NOSSO DINHEIRO QUE PRA TIRAR O NOSSO PRA NÃO HÁ LIMITES E REUNIDOS TOMAREM ATITUDES ESCUSAS PRA SE SAFAREM DA JUSTIÇA QUE ESTA CHEGANDO NA QUADRILHA FORA

  3. geraldo de oliveira disse:

    Gostaria de saber se esse jantar que esta pagando e os cofres da união, se for
    vamos nos juntar em torno destes desses folgados e exigir devoluções e rápido
    pois não trabalho para tratar de vagabundos

  4. Manoel disse:

    Pelo visto do grande número de envolvidos na corrupção, e muitos do alto clérigo político mergulhado até o pescoço, para se livrarem da mão do Meritíssimo Moro, só resta a eles uma “vacina e boa dose” para que sejam imunizados contra cadeia.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*
*

Você tem caracteres para usar.